Navegar, apesar da deficiência Marco e Muttley

Quick Finder de produto

Escolher uma categoria ou subcategoria

O homem, o cão e o mar

Qual é a maior paixão de Marco Rossato? O oceano. Não há outro lugar onde se sinta tão verdadeiramente feliz como quando está no seu veleiro. E não há outro local onde passe cada minuto dos seus tempos livres. Até ao dia em que tudo mudou: No seguimento de um grave acidente  de mota, ficou paraplégico. Ninguém imaginava que pudesse vir a manobrar de novo um veleiro – a não ser o próprio Marco. Este verão, navegou à volta de toda a península italiana na companhia do seu melhor amigo, o cão Mutley.

Estamos a 22 de setembro, um dia de sol e luminoso na costa da Ligúria. Depois de cinco meses num mar cheio de silêncio, tempestades e noites estreladas, o litoral de Gênova surge diante de Marco. Inicialmente encoberto e azul, mas tornando-se cada vez mais claro. As montanhas, as cores e o porto. Milhares de pessoas esperando. Gritos de boas-vindas, cartazes com as palavras "Benvenuti a casa" (Benvindo a casa), abraços e lágrimas de alegria. Todos estão lá - amigos, familiares, colegas e representantes dos media. "Nesse momento, surgiram subitamente todo o tipo de sentimentos: uma mistura de exaustão, perplexidade e alegria - foi incrível", diz Marco. Ele realmente conseguiu. Não só ele e Muttley desafiaram o vento e o clima durante cinco meses seguidos, como também conseguiram gerir uma agenda preenchida com paragens em 80 portos e todos os tipos de campanha dos meios de comunicação.

„Mutley e eu somos inseparáveis. Ele é também uma excelente companhia a bordo.“

– Marco Rossato

“Mutley é exatamente como eu – sente-se em casa no oceano. Fui buscá-lo a um canil há quatro anos  – desde então, temos sido inseparáveis. É também uma companhia excelente a bordo”. A viagem à vela, à volta da península italiana é a primeira de um total de três viagens que compõem o projeto  TRI Sail4All  de Marco, que se vai prolongar por um período de três anos. Juntamente com dois grandes  passeios à vela, o projeto abrange inúmeras atividades e campanhas. “O nosso objetivo é enriquecer a vida das pessoas com deficiência através da navegação e consciencializar o público para portos com acessibilidades para deficientes. Vencer e ter a B. Braun como um dos principais patrocinadores foi o melhor que me poderia ter acontecido”, diz Marco. 

Mas como é que alguém tem a ideia de navegar por toda a Itália? "Originalmente, esse não era de todo o meu plano", diz Marco rindo. Tudo começou há 20 anos, quando estava a navegar no Atlântico perto da costa cubana. "Não sei porquê, mas de repente ocorreu-me a ideia de navegar sozinho de Cuba para Itália." Era perfeitamente claro para ele que atravessar o Atlântico sozinho num veleiro, era aparentemente bastante desafiador. "Mas aqueles que me conhecem sabem que dificilmente volto atrás quando tenho um objetivo", diz Marco sorrindo. Durante três anos seguidos, treinou para a travessia transatlântica - e depois veio o acidente de moto. Quando acordou no hospital, ele não previu que nunca mais seria capaz de usar as pernas.

„Não é verdade que a vida de uma pessoa termina após um grave acidente. Na verdade, está a começar uma nova vida.“

– Marco Rossato

Quando algo assim acontece, muitos afirmam que a vida acabou. E talvez seja isso que parece. Mas não é verdade ”, diz Marco. “Na verdade, está a começar uma nova vida - como quando era um bebé e, inicialmente desamparado, forçado a aprender tudo de novo - leva anos”. Até Marco precisou de alguns anos para passo a passo conquistar a sua nova vida. Naquela época, ele acreditava que navegar de novo estava completamente fora de alcance - sem mencionar o seu sonho de cruzar o Atlântico. Contudo no seu 40º aniversário,: “Estava sentado com dois amigos e conversávamos sobre os sonhos que costumávamos ter. E de repente ficou claro para mim - é agora ou nunca!"”

A partir de então, fez tudo o que pode para transformar o seu sonho em realidade. “Os meus amigos e familiares nunca deixaram de acreditar em mim”, diz Marco. Navegar pela península da Itália foi o seu primeiro grande marco. “Claro que me perguntei se poderia lidar com o deixar para trás o conforto de uma vida em terra por cinco meses. E tive também muito respeito pelos desafios náuticos inerentes. Mas que tipo de pessoas seríamos se não assumíssemos riscos? ”

„Navegar foi um trabalho árduo e eu não fazia ideia se íamos sair dali inteiros“

– Marco Rossato

E Marco correu muitos riscos, pois a viagem de barco ao redor da península não o conduziu por águas calmas. Por exemplo, há o conhecido Estreito de Otranto entre a Itália e a Albânia, onde o vento mistral pode ser muito tempestuoso. Ou o Golfo de Squillace, que desde a antiguidade tem sido conhecido como um cemitério de navios “Mas tive sorte. Naveguei por toda a parte com bastante facilidade. Até ao dia em que as coisas ficaram um pouco perigosas.” 

Navegava ao longo da costa da Apúlia quando, de repente, uma tempestade surgiu sem aviso: fortes rajadas balançavam o barco e ondas altas batiam contra ele com toda a força. “Navegar foi um trabalho árduo e eu não fazia ideia se íamos sair dali inteiros. Mas a pior parte foi Muttley, que me olhava o tempo todo com uma agonia mortal nos seus olhos. Quando consegui finalmente manobrar o barco para um local seguro e lançar a âncora para passarmos a noite, tínhamos deixado 13 horas de inferno para trás".

Mas alguma vez pôs em questão o seu projeto em tais momentos? "Nunca! Desistir não pertence ao meu vocabulário. ”Houve também tantos momentos mágicos no oceano:“ Dias em que tudo encaixava na perfeição - o vento, as ondas e o tempo. Um mar e um céu de cores indescritíveis - como uma pintura. Todas as minhas preocupações foram embora, deixando para trás uma profunda tranquilidade ”.

Mas, por mais que Marco goste da tranquilidade, não fica parado por muito tempo. Se não está a treinar ou num longo passeio de barco, pode ser encontrado em clínicas e centros de reabilitação. “Quero dar esperança às pessoas. Quero mostrar-lhes como a vida é bela - mesmo depois de um acidente que muda tudo ”. Ele acha o seu trabalho nas escolas especialmente divertido:“ As crianças são maravilhosas. As suas mentes não estão cheias de estereótipos ou barreiras. Eles vêem-me como uma pessoa normal que tem que lidar com algumas limitações, mas que faz o que mais ama na vida. Eles entendem que os sonhos não são fantasias, mas algo que podemos e devemos tornar realidade. ”

Na bagagem de Marco durante a sua viagem à vela

Na primavera, Marco partirá na sua segunda tournée do seu projeto  TRI Sail4All. Mas desta vez vai numa regata: Atualmente está a reunir uma equipa de 140 marinheiros todos com incapacidade. A terceira viagem está prevista para 2020 e seguirá as rotas de Odysseus pelo Mar Mediterrâneo. E a travessia do Atlântico? “Vai acontecer quando me sentir pronto. Presumo que será em 2021. Saberei quando chegar a hora. ”E aqueles que conhecem Marco sabem que ele dificilmente volta atrás quando define um objetivo.

Marco Rossato é o fundador da  SailAbility, uma comunidade internacional com membros de 24 países. Desde 2018 é o presidente da Hansa Class, uma disciplina de vela paralímpica. A sua viagem à vela pela Itália aconteceu como parte do projeto TRI Sail4All . A B. Braun é o principal patrocinador.

Por Christin Bernhardt